30 de junho de 2016

VERÃO 2016




Amadeo de Souza Cardoso - "Le saut du lapin" (1911)




Porque muitos alunos irão ter saudades da disciplina de Educação Visual e outros querem praticar a técnica e treinar o olhar, seguem-se alguns exercícios com diferentes graus de dificuldade e organizados por temas.







O PONTO E A LINHA


Para comunicarmos visualmente, seja a escrever um texto numa página (caligrafia) ou esboçar um esquema de uma ou mais ruas para indicar uma direção (por exemplo), necessitamos de desenhar pontos e linhas. Para executar estes exercícios simples precisamos de um elemento riscador (lápis de grafite, caneta, esferográfica, etc.), de um suporte (papel, por exemplo) e de empenho para realizar os vários exercícios que se seguem:






 

Volto a disponibilizar os exercícios sobre grafismos, publicados anteriormente, que podem ser realizados com lápis de grafite, caneta ou esferográfica.




Para aceder à publicação com os documentos em PDF, clicar na ligação que se segue:





LÁPIS DE COR


Todos já ouviram falar dos livros de colorir e, neste momento, há uma grande variedade de temas à venda nas livrarias. No entanto, deixo aqui algumas hipóteses em formato PDF, que podem imprimir e começar a trabalhar de imediato. É uma atividade para relaxar e treinar o preenchimento de espaços com lápis de cor.













Para quem se quiser envolver mais com a disciplina de Ciências Naturais, pode optar por colorir e aprender a reconhecer as plantas invasoras existentes no nosso país:


Mais plantas invasoras para reconhecer e colorir neste site:





DESENHAR FIGURAS SIMPLES


Para desenvolver as capacidades necessárias ao desenho autónomo e criativo, alguns alunos preferem treinar o desenho de figuras simples com estes exemplos passo-a-passo:





























DIÁRIO GRÁFICO


Aproveito para relembrar que um diário gráfico é um caderno (ou um conjunto de folhas soltas que posteriormente organizamos como preferirmos) onde podemos soltar a nossa imaginação e desenhar, escrever, pintar e/ou colar as histórias, pensamentos, etc... que marcam o nosso quotidiano.

Se não gostarmos do que fizermos, é só virar a página e começar de novo...

Ou outro registo diferente. Se os desenhos/registos forem apagados ou destruídos por não gostarmos do que estamos a fazer, perdemos a noção da evolução que se torna natural e mais rápida quando nos dedicamos ao desenho de uma forma continuada.

Se adquirirem um caderno de capa dura, o trabalho torna-se mais fácil. Podem também imprimir o guia de trabalho (frente e verso), dobrá-lo e juntá-lo ao caderno, quer na bolsa interior de alguns cadernos, quer com uma mola como mostra a imagem seguinte.





Seguem-se as ligações para as publicações deste blogue sobre o diário gráfico.








Bom trabalho.....








Sem comentários:

Enviar um comentário